segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Viajando com alérgico - Mavsa Resort

Não, não sumimos, mas fazer post decente com bebê de 1 ano engatinhando/pulando/chorando/chamando mamaim/subindo escada não dá... então hoje o papai está segurando a Fofinha na sala enquanto a mamaim aqui escreve rapidinho.

No feriado de 20 de novembro fomos para nossa primeira grande viagem juntos: Mavsa Resort, em Cesário Lange/SP. Fica a 1 hora de São Paulo, 2 horas e meia de Campinas. Fomos com malas, carrinho, frasqueira térmica cheia de comida para eventualidades, uma criança ansiosa porque sabia que teria monitoria e um bebê sem entender nada, que lugar longe, mamaim...

A prainha
Pra começar, o lugar é maravilhoso. O check-in foi rápido e fomos bem orientados a ir do quarto direto pro restaurante para avisar ao maitre que havia restrições alimentares na família. De lá, não teve jeito, corremos para a PISCINA, porque uma pessoinha estava quase pulando lá dentro de roupa e tudo. O complexo aquático conta com um dos maiores toboáguas que já vi, uma piscina funda (mas que dá pé pra mim, que tenho 1,60m), uma piscina infantil com escorregador e uma prainha com toboágua pequeno, cuja profundidade não passa 50cm. Confesso que quase caí do toboágua pequeno...

Capela de Santo Expedito
Depois de muita luta pra tirar a Fofa de dentro da água, fomos jantar. Buffet completíssimo, farto e com opções para alérgicos a leite (não muita, mas tinha sobremesaaaaaaaaaaaaa). Neste primeiro dia dei uma bobeira e o macarrão foi contaminado por algumas gotas de molho branco, mas que não comprometeu a viagem. Nas outras refeições, a comida da bebê vinha direto da cozinha, feita especialmente para ela.

E, enquanto jantávamos... passaram os TIOS. Pensa numa criança encantada com os monitores. Aí pensa numa criança que só viu os pais durante as refeições, durante o descanso dos tios e na hora de dormir. Pensou? Foi assim que vimos a Fofa nos 2 dias que passamos lá.

E foi cada mico...
Diversão não faltou. Tinha zoológico, área infantil com brinquedão, jogos eletrônicos, piscina, trilha, pescaria, arco e flecha, atividades para todas as idades, bebida a vontade e sempre um petisco para beliscar, sorvete, tudo no sistema all inclusive e a diária ainda incluia duas crianças abaixo de 12 anos no quarto dos pais.

Quarto, aliás, muito bom, espaçoso, PISO FRIO, banheiro com ducha, pia com 2 cubas para não dar briga de manhã, banheira pra bebê, berço, grade pra cama, tudo cortesia do hotel.

Preciso dizer que tem gente que não quis ir embora? No check-out, alguéeeeeeeem ainda falou pros tios "tchau, semana que vem eu volto". O.o 

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Divulgando...

FACIS oferece Curso Intensivo de Pediatria


A Facis, Faculdade de Ciências da Saúde de São Paulo e Instituto Brasileiro de Estudos Homeopáticos, em parceria com a ERB - Cursos Integrais, abriu inscrições para o Curso Intensivo de Pediatria, que tem início previsto para o dia 30 de janeiro de 2015. O Programa  de Pediatria Geral inclui estudos sobre Neonatologia, Neurologia, Nefrologia, Adolescentes, Onco Hematologia entre outros. Os conteúdos serão desenvolvidos de forma objetiva e com base na Bibliografia orientada pela SBP. Acontecerão também práticas de treinamento para responder testes e desenvolver a parte cursiva. O corpo docente é formado por mestres e doutores, com a coordenação do Prof. Dr. Evandro Roberto Baldacci - Livre Docente USP.

Público Alvo: Médicos
Carga Horária: 160 horas (curso com 10 blocos de 16 horas)        
Duração: 6 meses
Início previsto: 30 de Janeiro de 2015
Término: Abril/2015
Horário: Sexta-feira das 14h às 23h
Sábado: Das 7h30 às 13h00 e das 14h às 18h30
Domingo: Das 8h às 12h

Investimento
Matrícula: R$600,00 - Antecipada
Mensalidade: 4 parcelas de R$930,00

Ao preencher sua ficha (no campo “Inscreva-se”), o boleto será gerado automaticamente.
O prazo de vencimento será de até uma semana. 

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Afastando...

Olá...

... Então, depois do susto da bronquiolite e do rotavirus, agora foi a vez da otite e da pneumonia atacarem nesta casa. Com isso, a Fofinha emagreceu (naooooooooooo) e a mamãe aqui ganhou um afastamento do serviço por 30 dias para tirá-la da creche e cuidar da bebê. Estamos com fisioterapia respiratória domiciliar, inalações com oxigênio de duas a três vezes por dia e amanhã faremos uma nova radiografia.

Por conta disso, estarei bem afastada do blog, até mesmo dos comentários. Quando tudo voltar ao normal, retornarei. 

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Rota 66?

Naooooooooo...

Depois da bronquiolite, foi a vez de outra doença muito comum nas crianças pequenas: a famigerada "virose intestinal", ou gastroenterite aguda, ou diarréia aguda viral. 

Causada por enterovirus, dos quais o mais famoso é o rotavirus, cursa com vômitos, mal estar, náuseas, diarréia, podendo ou não ter febre.  É auto-limitada (sara sozinha), mas leva rapidamente a desidratação se a criança vomitar ou evacuar muito sem receber a reidratacao adequada. E o que mata mesmo é a desidratação. Criança pequena, quando não quer tomar líquidos, não toma MESMO, seja no copo, na mamadeira, na colher ou dando com seringa na boca e, quando está muito desidratada, o que entra pela boca sai rapidamente pelo vômito. Foi por ser uma doença altamente prevalente (acontece muito), contagiosa e com altas taxas de mortalidade, que a vacina contra rotavirus foi incluída no calendário vacinal do SUS.

Como tratar?

  • Ofereça a criança goles de soro de reidratacao oral, que pode ser o dado nos centros de saúde ou os comprados na farmácia (que são mais gostosos), a vontade, insistindo após cada vômito ou evacuação líquida. 
  • Caso a criança vomite após tomar o soro oral, leve a uma unidade de saúde para que seja avaliada por um pediatra e medicada adequadamente.
  • Caso a criança pare de fazer xixi, leve a uma unidade de saúde.
  • Caso tenha uma febre que não abaixe com o uso de antitérmicos, leve a uma unidade de saúde, pois isto também é um sinal de desidratação. 
  • Ofereça alimentos, mas não force a criança a comer.
E tenha paciência... como toda virose, dura no máximo 7 dias. Aqui durou 5, com duas dias ao pronto-socorro. Hoje voltou pra escola, toda feliz. 

Ainda bem que não foi com a bebê, foi com a Fofa... Porque se essa virose fez a grande emagrecer 2 kg em 5 dias, imaginem o que não teria feito com a pequena. Agora estamos lidando com uma otite na bebê, mas nada (muito) desesperador, só não quer comerrrrrrrr!

terça-feira, 29 de julho de 2014

Bronquiolite

Agora, que a vida começa a voltar ao normal nesta casa, dá para comentar do grande susto do início do mês.

Assim que o papai e a Fofa foram viajar, eis que a Fofinha resolveu me dar um belo de um susto. Começou com o nariz escorrendo, um pico febril da manhã de uma sexta... que continuou para uma tossinha bem "sem vergonha"... daí foi pra falta de ar...

... e daí a mamãe já ligou o inalador com sorinho, depois o salbutamol com espaçador, porque estava chiando... até chegarmos à primeira ida ao pronto-socorro.

Claro, para todos verem que mãe é mãe, mesmo sendo pediatra, quando cheguei no PS, a bebê já não tinha mais nada, estava batendo palminha e dando risada pra plantonista. ¬¬ Voltamos para casa e, na noite seguinte, voltamos pro PS, porque o cansaço estava muito grande e nem o salbutamol resolvia mais. RX, inalação e ganhamos uma internação.

12 horas no oxigênio, beleza, melhorou, pra casa.

12 horas em casa, piorou, cansada, chiando que era um horror, pro PS de novo.

E do hospital só saímos depois de 4 dias, quando tivemos a certeza de que ela estava ótima, linda e maravilhosa e quando ela entrou no período de melhora.

Porque ela teve a famigerada bronquiolite viral aguda (BVA).

Dando um "pezinho" pra segurar o oxigênio...
A BVA é muito comum em bebês no primeiro ano de vida, especialmente no outono-inverno, que é o período de circulação dos vírus respiratórios, dentre os quais destacamos o vírus do resfriado (rinovirus), o da gripe (influenza), o metapneumovirus humano e o vírus sincicial respiratório (VSR), como possíveis causadores da inflamação dos bronquíolos característica desta doença. Justamente por ser uma doença viral, os primeiros sintomas são inespecíficos, como febre, tosse, coriza, espirros, que evoluem (e é de repente mesmo, é aquela coisa "doutora, mas eu estive aqui de manhã e ele(a) não chiava, como é que tá chiando agora????") para sibilância, falta de ar e, nos casos mais graves, com necessidade de intubação e suporte ventilatório em UTI.

Por ser viral (e eu vou repetir isso várias vezes até o fim do post), não precisa de antibiótico, a não ser que haja uma infecção bacteriana junto, e não precisa de corticóide. O que precisa é de tratamento de suporte para que o corpo se recupere sozinho, o que inclui oxigenoterapia (que pode ser por tenda de O2 ou por nebulização contínua) e hidratação adequada, pela veia, caso a criança não esteja se alimentando direito. 

Por ser viral, tem um tempo de evolução de aproximadamente 7 a 10 dias, sendo uma fase de piora, uma fase de platô (não melhora e nem piora) e uma fase de melhora. 

Crianças prematuras, com doença pulmonar crônica e cardiopatias congênitas têm maior risco de serem hospitalizadas e até mesmo de irem para a UTI por causa da bronquiolite. Como prevenção, temos a vacina contra a influenza (mas que só pode ser aplicada após os 6 meses) e o anticorpo monoclonal contra o VSR, o palivizumabe (caro, muito caro, disponível pela rede pública para prematuros extremos, crianças com pneumopatias e cardiopatias graves até 2 anos de idade, nos meses de circulação do VSR). E, claro, as medidas gerais contra doenças, como lavar as mãos, procurar não ficar em locais fechados com aglomerações, alimentar-se bem...

Outro ponto importante é que ter um episódio de bronquiolite não quer dizer que a criança vai chiar o resto da vida. Pode acontecer de ficar chiando por mais ou menos um ano, devido a hiper-reatividade brônquica posterior, ou pode acontecer de ter asma mesmo (principalmente se tiver outros fatores de risco para asma, como a minha Fofinha tem). Ou pode acontecer de só chiar quando pega resfriado. Ou não chiar nunca mais. Mas não dá para prever isso no primeiro episódio de sibilância, por isso é importante comunicar isso ao pediatra de rotina para o acompanhamento adequado.

E agora é recuperar o peso perdido... aff... perdeu 400 g em 1 semana...

terça-feira, 22 de julho de 2014

BIGODINHO???

- Mamaim, quando eu crescer, vou ter bigodinho igual ao seu?

Desnecessário dizer que hoje eu fui depilar o buço.

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Falando um pouco mais sobre alergias

Elefante me dá alergia?

Como toda mãe, só consigo pensar direito quando meus bebês estão bem de saúde :)

Hoje, 3 meses e meio após o diagnóstico de alergia alimentar múltipla (alergia à proteína do leite de vaca - APLV - e alergia a látex), minha bebê linda está engordando, comendo bem e tomando BEM seu Neocate na escolinha, além do leite materno em casa. Felizmente, o diagnóstico foi rápido e deu tudo certo, mas quando paro para lembrar de como foi, vejo que passamos por momentos complicados e desanimadores.

Logo após voltarmos da praia, com 4 meses e meio, notamos que o cocô da bebê havia mudado. Era um cheiro horroroso, azedo, com uma cor verde esquisita, grudento, com muco por cima. Como a madrinha da Fofa é gastropediatra, ela já nos orientou a tirar o leite da minha alimentação, já que a bebê só mamava no peito. Melhorou... por 15 dias. Aí voltou tudo de novo.

Ou melhor, aí piorou.

Começou a apresentar urticária peri-oral quando comia papinha de legumes. Fez isso com batata, cenoura, frango e carne bovina. Tiramos tudo e ficamos sem entender nada. Até que brincou com um bico de látex e...

Manhêeeeeeee

Fez isso aqui.

Quase infartei.

Isso fechou o diagnóstico de ALERGIA A LÁTEX. 

Como fiz residência em Alergia e Imunologia Pediátrica, sabia que teria que tirar os alimentos látex-like da alimentação dela, mas sabe como é mãe. A gente nega até o fim. Então fomos na minha professora da faculdade...

... a lista é gigante. Fruta, só melancia é permitida. Batata, nem pensar. Cenoura, muito menos. Soja? Pffff...

Então restringimos a alimentação. Dela e MINHA, porque ainda amamento. Tive a opção de não amamentar e dar só o Neocate, mas não tive coragem. Eu gosto de amamentar e a bebê só dorme no peito (casa de ferreiro...). Emagreci 4 kg, meus cabelos caem, tomo cálcio pra suplementar, mas nada me deixa mais feliz do que ver a bebê engordando. O maior elogio aqui de casa é falar que ela está pesada.

Virei a chata do rótulo e quase não saímos para comer fora. Vamos em festinhas, mas levo uma big marmita, a minha e a da bebê. Por enquanto, como ela é pequena, isso não nos dá problema. O único problema que temos é a Fofa que espalha migalhas de alimentos com leite pela casa quando come, porque não posso restringir a alimentação dela nessa idade.

Para maiores informações:


quarta-feira, 11 de junho de 2014

Pipo e Fifi

Já ouviram falar nos monstrinhos Pipo e Fifi?

Criados por Caroline Arcari, pedagoga especialista em Educação Sexual, fazem parte de uma forma lúdica de abordar um tema muito sério com as nossas crianças: o abuso sexual.

Instituto CORES

O livro está disponível para download gratuito no site do projeto, mas você também pode comprar uma cópia física para ler com seus filhos ou crianças que conheça e queira ajudar.

sexta-feira, 23 de maio de 2014

7 quilos!

A vida anda complicada e as atualizações, demoradas, mas ainda me sobra um tempinho de vez em quando para postar por aqui.

Depois da restrição alimentar quase total, a bebê começou a comer com gosto (chega a jantar duas vezes) e já conseguimos introduzir a carne de frango, com sucesso. Não temos mais aquele cocô fedido e cheio de muco e enfim chegamos à marca dos 7 quilos (ficamos 1 mês e meio rondando os 6 quilos e alguma coisa). 

O que dá dó é que a vida social aqui de casa praticamente se extinguiu. Nos fins de semana, como tenho que fazer toda a comida dela mesmo que a gente vá comer fora (com a Fofa, eu podia fazer um monte e congelar, pra Fofinha não dá, tem que ser tudo fresco e eu tenho que saber exatamente o que tem na comida), acabamos optando por não sair. Também não tenho saído para caminhar no condomínio porque se bate no horário da comida, tenho que voltar correndo, ou tenho medo do que pode acontecer se a gente for na casa de uma vizinha. Afinal, os vizinhos não têm obrigação de ter lanchinhos que a bebê possa comer, eu é que tenho que andar com a mala cheia deles.

segunda-feira, 28 de abril de 2014

Alergias - ou mamãe a beira de um ataque de nervos


Andamos sumidos porque, um pouco depois do início da escolinha, descobrimos uma série de alergias na bebê. Primeiro, ela começou a ganhar cada vez menos peso (de 20 g/dia caiu pra 14, depois pra 10, depois voltou pra 14, até PERDER 20 g) e a curva de crescimento tornou-se um platô.

Como tinha uma regurgitação a cada mamada e fezes com cheiro azedo e com muco, foi feita a suspeita de alergia a proteína do leite de vaca (APLV) e suspenso todo o leite e derivados da minha alimentação, já que eu amamento. Um pouco depois, iniciamos a introdução alimentar... que foi um fracasso. Trancava a boca, chorava, comia resmungando, mas até ali a gente achava que era porque era um bebê de peito, então seria mais difícil aceitar outra coisa.

Até o dia em que ela ficou toda empipocada com um bico de látex.

Ahã, alergia ao LÁTEX.

Corre suspender todo o contato com látex e ALIMENTOS LÁTEX-LIKE (conhecia? Eu até conhecia, mas não sabia que a lista era tão grande), tanto da criança, quanto da mãe. E trocamos o leite também (porque ela toma uma mamadeira na escolinha), do Pregomin, que já é caro, pro Neocate, mais caro ainda. Felizmente há um programa do governo estadual para fornecimento de leites especiais, no qual a bebê se enquadra.

Ainda não tiramos da escolinha porque eu preciso trabalhar e lá, por ser uma escola pequena, conseguem fazer os cuidados com ela. 

Mas, no momento, tudo o que eu quero é o meu bebê fofinho como o da foto, de volta.

terça-feira, 1 de abril de 2014

Na escolinha


Mais uma vez, um pedacinho do meu coração fica na escolinha... 

Semana que vem volto a trabalhar e, mesmo tendo conseguido mudar meus horários para trabalhar meio período, tive que optar por colocá-la na escolinha em período integral, ou não faria mais nada durante o dia (sem contar que seria meio complicado explicar pra Fofa porque ela tem que ir o dia todo e a irmã, só à tarde).

Então hoje foi o primeiro dia. Mamãe já chorou, bebê chorou também, mas estou indo amamentar a cada 3 horas e nisso aproveito para ver como estão as coisas. 

Meu consolo é que, com o tempo, isso melhora...

domingo, 16 de março de 2014

Mais uma restrição... pra mamãe.

Quando eu estava grávida da Fofinha, a pneumopediatra da Fofa tinha me alertado pra não oferecer fórmulas infantis comuns quando fosse desmamar por causa do risco de alergia alimentar, já que a irmã mais velha tem todo um histórico de alergias.

Então, estou amamentando exclusivamente com leite materno, mas, quando estava na UTI, o primeiro alimento que ela tomou foi uma fórmula comum (Enfamil Premium, muito boa, mas não era  hipoalergenica). E qual não foi a nossa surpresa quando, há duas semanas e meia, começou a aparecer muco nas fezes dela. Na consulta de rotina, também não tinha ganhado peso suficiente.

E toca a mãe a fazer dieta de exclusão de leite de vaca e seus derivados, para ver se melhorava. Se melhorasse, seria por causa de alergia ao leite mesmo, porque as proteínas passam para o leite materno. Hoje, pela primeira vez em semanas, ela fez cocô sem muco e sem o cheiro azedo que invadia a casa.

Ficaremos assim por 2 a 3 meses, sem introduzir NADA de leite e derivados e tomando cuidado para não ter contaminação por utensílios domésticos. Não posso excluir o leite da casa, porque a Fofa precisa dele, então o cuidado aqui será redobrado.

sexta-feira, 14 de março de 2014

Viajando: Bistrozinho


Na minha cidade existem estabelecimentos destinados às crianças, mas eu nunca tinha visto algo TÃO LEGAL quanto o Bistrozinho, em Curitiba. Não é um restaurante com área kids, que pipocam por Campinas a cada mês, com um menu infantil que alimentaria a família de uma amiga que tem 3 crianças, mas um restaurante para crianças com um cardápio 100% voltado a elas (nós, adultos, ganhamos um espacinho ínfimo no menu).

Para conseguir essa façanha, lógico que o espaço é reduzido e, as reservas, disputadíssimas. Ninguém consegue aquele padrão de atendimento com trocentos funcionários para atender trocentos x muitas mesas. Então, por isso, sogrinha e cunhada reservaram nossa mesa com muita antecedência, avisando que teríamos 3 crianças em idade pré-escolar.

Quando chegamos, encontramos uma mesa tamanho adulto para 6 adultos e... uma mini-mesa para 3 crianças. E assim que sentamos, elas receberam seus jogos americanos de papel com uma boneca para destacar e ADESIVOS para enfeitá-la. A diversão começou aí. E continuou com a leitura do cardápio. A maioria dos pratos é tamanho mini, para que as crianças comam sem desperdício (e os adultos precisem pedir 2 ou 3 porções para conseguir comer alguma coisa), sendo que existem também pratos tamanho G, que não são GG, ou seja, suficiente para ficar satisfeito sem ficar empanturrado de comida.

Começamos os trabalhos com uma linda tábua de couvert com 2 corações de patê de presunto e manteiga e pãezinhos de letrinhas, escrevendo as palavras BEM VINDOS. Amei. Não deu tempo de tirar foto, o povo atacou antes.

Depois fomos para uma porção de linguicinha com vinagrete e farofa que as crianças roeram na hora, mais uma massinha gostosa recheada com shiitake, espetinhos de carne com abobrinha e cebola (que as crianças nem olharam, mas nós comemos tudo) e seguimos para os pratos principais. Macarrão para os pequenos, carnes, peixes e moqueca de camarão para os adultos.

E aí chegamos na parte divertida (mais?): a sobremesa.


Minha Fofa pediu a PESCARIA: docinhos surpresa espetados em palitos com peixinhos mergulhados em uma espuma de leite, acompanhados de uma... vara de pescar.


Os outros pediram o BALÃO MÁGICO, sanduíche de sorvete com biscoitos de chocolate com calda de chocolate e confeitos dentro do balão. Você estoura o balão e os confeitos caem na calda.

E o mais legal foi que os adultos comeram sem se preocupar em entreter as crianças. Não tinha monitor, mas tinha lousa com giz, jabuticabeira, estante com livros, brinquedos, tudo na altura delas e disponível para brincar.

domingo, 2 de março de 2014

Ordenhando

Faltando 1 mês para o início na escolinha, comecei a ordenhar leite materno para deixar congelado e estocado para a minha Fofinha. Como tenho freezer, vou estocar a partir de agora e usar os mais antigos para a famosa tentativa da pessoinha pegar a mamadeira (já falhei com a Avent, falta tentar a Dr. Brown e uma Chicco que a vizinha me emprestou).


Para isso, estou usando a bomba manual da Medela, a Harmony. Marido a trouxe na última viagem, porque eu não queria investir muito $ já que não consegui ordenhar nada na época da Fofa. Mas eis que me surpreendi... porque estou conseguindo tirar 100 ml por dia sem muita dificuldade (tenho que ordenhar durante uma mamada para sair bastante leite) e sem dor. Sim, isso é muito importante, já que a bomba que usei há 4 anos era doída que só vendo.

Semana que vem tentaremos a mamadeira de novo... se tudo falhar, vamos de colher mesmo.

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

E a Fofa volta a atacar

Estava atrasada com as postagens, então vou tirar o atraso enquanto a Fofinha dorme...

Minha mãe: Hoje vou assistir O Quebra-Nozes.
Fofa: Também quero quebrar algumas nozes.

Habemos DENTES!

Sim, DENTES! Com a Fofa demorou, mas com a Fofinha, os dentes estreiaram com 3 meses e 28 dias de vida! E sem diarréia, sem febre, sem irritação, só uma babação sem fim!

Mapeando a retina

Ontem foi dia de mais um exame: o mapeamento de retina. Aí vocês param e pensam "meu Deus, que tanto de exame é esse que a doida dessa mãe faz na pobre criancinha?"... ou "ah, é porque é prematura". Mas não é nada disso. O mapeamento de retina é obrigatório em todas as crianças nascidas em Campinas, aos 3-4 e 15-16 meses, por lei municipal (lei nº 11598/03 de 07 de julho de 2003), devendo ser agendado pela mãe mediante encaminhamento dado pelo profissional de saúde na ocasião das vacinas do calendário vacinal.

Por conta dessa lei, o exame é gratuito (pelo SUS) ou pode ser coberto pelos convênios e é feito no Instituto de Pediatria Ronald McDonald, vinculado ao Centro Infantil Boldrini, mas infelizmente, a divulgação é feita arduamente pelo próprio instituto, que envia por mala direta e por e-mail as informações para os médicos. Por que "infelizmente"?

Oras, porque não sai na mídia, poucas mães sabem desse exame, portanto, não são todas as crianças que são encaminhadas para ele. Onde moro, só a minha pequena foi fazer o mapeamento e porque EU sabia que ele estava disponível. O pediatra da minha filha já tinha ouvido falar do exame, mas não sabia que era para todas as crianças nascidas em Campinas

Mas voltando ao exame: é rápido, indolor e exige somente o uso do colírio para dilatar a pupila. A médica, então, usa o oftalmoscópio indireto para olhar toda a superfície da retina a procura de malformações congênitas ou de tumores (retinoblastoma, neuroblastoma) que, diagnosticados precocemente, podem ser tratados com sucesso. O folheto abaixo explica direitinho como é o exame e como marcar.

Capa do folheto

Parte interna do folheto
Originalmente, também estava prevista a realização de ultrassom abdominal de rotina para detecção de massas abdominais, mas esse exame já não é feito no instituto.

Mamães e papais, não percam mais essa oportunidade de cuidar do seu bebê :)

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Da série "cuspindo pra cima"...

Todos sabemos como pediatras e dentistas são anti-chupeta (eu mesma não sou fã delas, mas as prefiro a mão, porque chupeta conseguimos esconder depois, a mão não da pra cortar fora), mas vamos falar bem a verdade: tem horas que não da para evitar.

Com a Fofa, dei a chupeta com 24 horas de vida porque não aguentava aquele ser que berrava e só sossegava no peito. Com a Fofinha, acabei tentando dar a chupeta porque agora, com 3 meses, ela resolveu que chupar os 2 dedos (indicador e médio) é muito legal e acaba acordando ao procurar algo pra sugar. Ah sim, agora prefere dormir pendurada no peito... E quem é que disse que ela gosta de chupeta???

Como já comentei antes, já testei a Chicco Physio Soft, a MAM ortodontica, a Kuka 0-6m e NADA. Minha vontade é de tentar essa tal MAM Perfect, mas andei lendo umas resenhas e vi que tem mãe reclamando que o bico rasga fácil e que já chegou a soltar dentro da boca de um bebê. Aí da medo. Não tentei a Avent porque vi que o bico é enorme. Estou pensando em tentar usar aquelas chupetas para recém-nascidos coloridas, o preço é que desanima, porque se não pegar, é mais uma que vou jogar fora.

Enquanto isso, só o Lansinoh salva meus bicos.

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

4 anos e 3 meses!

Ou melhor, uma menina de 4 anos e uma bebê de 3 meses!

A vida quase voltou ao normal e alguns percalços já surgiram. Não tenho mais um bebê 100% bonzinho, agora já tem suas manias (dorme sacudida e embalada, só com musiquinha, se não toma banho às 17h surta, etc, etc...), mas também tem suas gracinhas. Dá risada, gargalhadas, reconhece seu nome, reconhece as vozes das pessoas mais próximas, firma a cabeça, faz abluuuuu... enquanto a mais velha ajuda a cuidar, fica do lado do Bouncer quando a bebê está lá assistindo Galinha Pintadinha ou Jacarelvis, beija, abraça, quer ficar junto no colo (da um trabaaaaalho), enfim, é a coisa mais linda que eu podia imaginar.

Desta vez não terei problemas com o berçário, pois a Fofinha ficará na mesma escolinha onde a Fofa estuda atualmente, mas como a vida continua (e rápida), já estou procurando escolas para o primeiro ano do ensino fundamental e deixando reserva de vaga para 2016. Achei que estava exagerando, mas uma das escolas já está fazendo reserva para 2015 e não saímos do mês de janeiro.

Semana que vem faremos o batizado da Fofinha, tudo organizado por mim. Claro que teremos fotos :)

sábado, 4 de janeiro de 2014

Feliz 2014!

Nanando pouco antes da virada do ano
Sim, ainda estamos por aqui, mas as atualizações ficaram mais complicadas com o fim do mês, já que ele veio acompanhado de 1) férias da Fofa, 2) férias da empregada e 3) fraldas de pano. Felizmente, a Fofinha (que se chama Isabella) está dormindo no berço, então consigo descansar um pouco mais, e há 2 noites, acorda só uma vez na madrugada.

Continua só no leite materno (uhuu!) e recusou três marcas de chupeta (tentei Chicco, Kuka e Mam), para a felicidade do pai e da dentista. Eu, sinceramente, não ficaria chateada se ela pegasse a chupeta, porque tem vezes que dá pra perceber que ela só quer o peito pra dormir, mas não é sempre, então, já que não quer, tudo bem.

Aprendi também que carrinho de bebê tem que ser prático, leve e durável. Vou me desfazer de dois carrinhos que foram da Denise (um Infanti Vivo e um Infanti Vini) e comprei um da Safety 1st (o Umbrella Urban), mas quase que me rendi ao Pliko P3 Compact que custava o triplo do Umbrella Urban.

E agora vou correndo pra minha caminha de novo, porque logo logo chega o horário da mamada! Aleitamento materno livre demanda é assim... vale tanto a pena... :)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...